Ver Galeria

Luceris – Minas

Chamaesyce hirta (L.) Millsp.

Nome Popular: Erva-de-santa-luzia

Família Botânica: Euforbiaceae

Qualidades Resumidas: Para os indivíduos cujo desenvolvimento extrassensorial, paranormal ou espiritual encontra-se descontrolado, o que ocasiona conflitos emocionais ou desconforto mental.

Para as degradações energéticas surgidas durante os processos meditativos, insistentemente mal conduzidos, os quais podem resultar em estimulações, desvios e ilusões.

Para aqueles insuficientemente purificados e despreparados para os contatos superiores, que podem adulterar o afluxo das energias espirituais, tornando-se vítimas de congestão cerebral, cansaço, confusão mental, incapacidade de concentração, perdas do poder de autocrítica, emotividade exacerbada, irritabilidade, agressividade, insônia e sensação de ofuscamento das faculdades visuais e auditivas.

Para as pessoas que tentam despertar, artificialmente, os seus poderes psíquicos, atraindo as forma-pensamentos inferiores. Para os sintomas típicos do “astralismo”. A essência ajuda corrigir as ilusões sutis e enganosas do trabalho meditativo mais avançado, em que o ego pode subrepticiamente assumir as rédeas das comunicações, alterando a verdade em vantagem própria. Aumenta a capacidade de vigília com relação à natureza dos afluxos energéticos provenientes dos níveis extrafísicos de manifestação.

Trata-se de uma essência tonificante da imaginação visionária, sem a qual não é possível “olhar” a corrente de imagens interiores. Para aqueles que já estão suficientemente maduros para galgar certos saltos qualitativos em seus poderes psíquico-espirituais, a essência representa uma chave e um símbolo para uma nova conquista e da implacável responsabilidade.

Luceris coopera constante e gradativamente para o despertar dos chakras superiores, favorecendo a clarividência e a clariaudiência. A essência “ascende” na alma a iluminação, interna e externa, ajudando no discernimento e na expansão da consciência mística. Pode compor um colírio floral por excelência, sendo que em tal caso a solução-estoque deve ser diluída em soro fisiológico.