Ver Galeria

Sturt Desert Pea – Bush Australiano

Clianthus formosus

Família BotânicaFabaceae

Resultados PositivosLiberação, difusão de memórias tristes, motivação reenergização.

Condições NegativasDor, pesar emocional, tristeza.

Sturt Desert Pea, flor emblema do Sul da Austrália, é para remover dor e tristezas muito profundas. Uma das mais poderosas, entre as fortes e poderosas essências florais Australianas, esta pode ajudar a pessoa a realizar surpreendentes mudanças em suas vidas.

Uma das mais poderosas, entre estas tão fortes essênciasPertence à família das fabaceae, plantas que produzem sementes em vagens, da qual fazem parte os feijões. Nasce nas planícies do Sudoeste da Austrália, em áreas muito secas deste deserto, onde existem lagos secos cobertos de sal, no interior mais árido da Austrália.

Uma das essências mais preciosas e poderosas, é também uma das plantas nativas mais espetaculares da Austrália, por sua presença, e florada surpreendentes. As flores são fortemente vermelhas e com um centro preto. Sabe-se também que as sementes dessa planta, às vezes, conservam sua energia para vir a florescer somente 40 anos depois. Tem uma longevidade incrível, e a longevidade dessa semente está relacionada às propriedades desta essência.

Soltar o lastro de tristeza e se libertar da dor emocional
Pessoas que tiveram experiências de profunda dor e pesar na família, experiências de acidentes terríveis, situações de muita violência, agressão, e horror, que trouxeram muita dor, ou mesmo doenças trágicas, com perdas.
O peso da memória dessas tragédias, faz com que elas “carreguem” ou abriguem, um forte lastro de dor e sofrimento em seu campo energético. É comum a pessoa carregar esse peso, e até a sentir dores físicas, sem nem saber mais o porque. Elas levam, ou “arrastam”, esse lastro de dor, e não fazem a ligação com a origem disso.

É uma essência preciosa, que ajuda as pessoas a poderem dissolver esse lastro de tristeza e de dor. É muito recomendada para homens que tem dificuldade de lidar com a própria dor, e que nunca processaram, nem puderam trazer para a consciência sua dor emocional. Para pessoas que acabam, por vezes, desenvolvendo processos de doença, com dores no próprio corpo, que podem estar, de alguma forma, relacionados ao sofrimento mal processado.

Sturt Desert Pea nos ensina que podemos transformar o lastro emocional das experiências, sem com isso estar deixando de conservar, na memória da alma, o aprendizado e o registro essencial do que foi vivido.

Lenda aborígene, que, de forma simbólica, ilustra vividamente suas qualidades

A lenda ligada a essa flor, ilustra bem suas qualidades. Escolhemos cita-la na íntegra, a partir do livro de Ian White:

Há muito tempo atrás, o forte e orgulhoso Uibacubolo fugiu com a bela Purlemiu, noiva que havia sido prometida para o mau, velho e covarde Thirta. Eles se refugiaram junto a um grupo de caçadores que pertencia a uma outra tribo, e que estava acampado perto de um grande lago, no interior do país.

O pai do Uibacu tinha nascido dentro dessa tribo e tinha sido seu líder. Percebendo a força de Uibacu e a beleza de Purlemiu, que poderiam resultar numa cria de filhos semelhante, eles acharam esse casal maravilhoso e não aceitaram o pedido de Thirta de devolver para ele a Purlemiu. Ao invés disso, deram a Thirta a oportunidade de lutar com Uibaco pela mão de Purlemiu. Covardemente, Thirta recusou essa oferta e deixou de lado o casal.

O ano seguinte trouxe muita felicidade para Uibaco e Purlemiu, incluindo o nascimento de um belo filho, que era o orgulho e a alegria da tribo.
Uibaco saía para caçar e fazia brinquedos para o seu novo filho que estava destinado a se tornar o grande líder da tribo, enquanto que Purlemiu, cujas canções eram muito conhecidas, agora canalizava canções dos espíritos, que cada vez ensinavam a ela cantos mais belos. Tais canções eram, em geral, sobre o seu filhinho, que iria viver eternamente, e ser conhecido como o ser mais belo das planícies do interior do país.

No ano seguinte, a tribo retornou ao lago próximo à tribo de Thirta. Mais canções vinham através da Purlemiu, que dizia que os espíritos estavam tentando avisá-la de uma desgraça que estava para ocorrer. Uibaco era muito orgulhoso e destemido, e não ouviu os pedidos de sua esposa para abandonar a área. À medida que os tempos iam passando, alegremente no novo acampamento, os medos dela foram passando e sendo esquecidos; os avisos dos espíritos também haviam cessado.

Uma noite, enquanto a tribo estava dormindo, Thirta e seus homens, que haviam pacientemente esperado por essa chance, entraram escondidos no acampamento e atacaram. A tribo inteira foi dizimada. Thirta se deleitou em empalar Purlemiu e seu filho com a sua lança. Ele e seu grupo de guerra abandonaram o território, deixando suas vítimas jogadas no chão.

Nunca antes ele havia visto flores tão lindas. À medida que ele foi olhando, uma lança desceu do céu e levantou-o do lugar onde ele estava, e uma voz falou, acusando-o de todas as suas ações más, e disse a ele que todo o sangue que ele havia derramado, o sangue de Uibaco, Purlemiu e seu filho, tinha fluído como um só rio, e tinha gerado todas essas flores vermelhas. “O sangue deles irá viver para sempre – essa voz disse a ele – e irá florescer para sempre sobre essas planícies peladas dos lagos de sal, como lágrimas secas da canção dos espíritos”.No ano seguinte, eles retornaram para olhar a cena, e viram que o lago havia secado, e tinha se tornado apenas um monte de sal. Os homens, companheiros e Thirta, fugiram apavorados. Thirta ficou, pisando em cima do que achava que seriam os ossos de seus inimigos. Mas, ao invés de ossos, ele encontrou áreas maciçamente cobertas de flores vermelhas brilhantes, sobre toda a área do massacre.

A voz disse a Thirta que ele ficaria lá para sempre, para poder reparar o seu trabalho covarde.
Então, essa lança empalou ele ali mesmo, fixando- ao chão.

As belas flores vermelhas, a glória das planícies do leste, hoje em dia são chamadas de Sturt Desert Pea, porém eram conhecidas pelas velhas tribos como as flores do sangue. Mesmo hoje, a Sturt Desert Pea é o símbolo, para muitos dos aborígenes, do sangue de seus ancestrais, que foi derramado durante os duzentos anos do violento processo de colonização da Austrália.

Conhecer essa lenda nos ajuda a compreender o profundo significado deste floral australiano.
É uma essência que ajuda as pessoas a dissolverem cargas de tristeza que carregam dentro de si, profundo pesar em relação a situações trágicas e dolorosas, que ocorreram na sua história de vida. A assinatura da semente, que demora 40 anos para germinar, e toda a lenda da tragédia, estão associadas à vibração dessa flor, que, ao mesmo tempo, traz a capacidade de transmutação disso.